BELÉM

AQUÁRIO DO MUSEU EMÍLIO GOELDI SERÁ REVITALIZADO

BELÉM

Nesta sexta-feira, dia 11, a partir das 10h, a Celpa, em parceria com o Programa ProGoeldi, coordenado pelo Instituto Peabiru, fará o evento de lançamento da obra de revitalização do Aquário Jacques Huber, que integra o circuito do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi. A iniciativa faz parte do projeto Celpa Mais Desenvolvimento Social e contará com um investimento social e cultural na ordem de R$ 418 mil. Além do Aquário, o trabalho contemplará um novo sistema de sinalização, que servirá para guiar os visitantes por todas as áreas do parque.

De acordo com o presidente da Celpa, Marcos Almeida, um trabalho desse porte deve incentivar de forma direta o turismo local e contribui fortemente com a cultura. “O Museu é um espaço de extrema importância para a cultura mundial e tem um potencial indiscutível para trazer visitantes ao Estado. Afinal, é um pedacinho da nossa rica fauna e flora amazônica bem no centro da cidade. E, sem dúvida, o nosso investimento servirá para dar ainda mais qualidade de vida às espécies do Aquário”, avalia o presidente.

A revitalização do Aquário contará com uma nova pintura da parte externa e interna do prédio, implementação de um revestimento acústico, reforma dos aquários dentro do espaço e a colocação de um novo telhado. Ainda será construído um setor extra que servirá de hospital para os animais aquáticos que chegam debilitados ao Museu. A conclusão da obra deve ocorrer até o final do mês de abril.

O coordenador do ProGoeldi, Oswaldo Braglia, reforçou a importância de investir em um local de desenvolvimento científico. “O Goeldi é o segundo mais antigo do Brasil e recebe de 350 a 400 mil visitantes por ano, além de possuir cerca de 4,5 milhões de itens tombados. Então, a Celpa está de parabéns por esse projeto, sobretudo no Aquário, que é uma das principais atrações. Esse é o tipo de atitude que deve servir de exemplo”, diz Oswaldo.

Inaugurado em 1911, o Aquário foi reaberto para visitação pública em 2017, após 13 anos fechado e virou a principal atração do Parque Zoobotânico. Apresenta cerca de 40 espécies de peixes de água doce e répteis da região, importantes para a cultura, sejam por estarem relacionadas a alimentação, medicina popular, ou às lendas de origens indígena e cabocla.

A diretora do Museu, Ana Luisa Albernaz, ressalta as melhorias. “O Museu Goeldi irá aprimorar a infraestrutura do Aquário e além disso, o Parque Zoobotânico, como um todo, ganhará uma nova sinalização, e dessa forma melhorar a experiência de visitação ao Parque. O projeto trará ainda uma nova exposição, a ser realizada dentro do Aquário, que certamente contribuirá para enriquecer a visitação àquele espaço, focado em ampliar os conhecimentos sobre a fauna da região amazônica. Enfim, o Programa da Celpa representará uma enorme contribuição para propiciar uma maior satisfação aos nossos diversos públicos visitantes”.

Ainda como parte do projeto social, a Celpa contratou uma empresa especializada para criar o novo logotipo do Emílio Goeldi. Será organizado um concurso para a população escolhe-la. “Como já estávamos verificando a nova sinalização, os representantes do Museu avaliaram que também seria o momento de lançar uma nova marca. Achamos ótimo e embarcamos na ideia, ainda mais que terá participação do público”, diz a analista de Responsabilidade Social da Celpa, Michelle Miranda.

PROJETOS EM OUTROS MUNICÍPIOS – O Celpa Mais Desenvolvimento Social beneficiará outras instituições localizadas em Belém, Castanhal, Marabá e Santarém. O Projeto ainda fará um levantamento socioeconômico das comunidades para a realização de cursos profissionalizantes para a população de baixa renda, de vários municípios do Estado. No total, o investimento social da empresa será de cerca de R$ 4,5 milhões.


Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


POPULARES

Topo