ANANINDEUA

MÃE DE CRIANÇAS VÍTIMAS DE ABUSO SEXUAL É AGREDIDA EM PRESÍDIO FEMININO NO PA

Uma detenta foi agredida na última sexta-feira (8) por internas dentro do Centro de Reeducação Feminino (CRF) em Ananindeua, na região metropolitana de Belém. Ela e dois homens foram presos em Paragominas, nordeste do Pará, por crimes sexuais.

As investigações apontam que as filhas da detenta, de 10 e 11 anos de idade, eram abusadas pelo padrasto e um vizinho. De acordo com a Polícia, a mulher sabia dos abusos e não denunciou à Polícia.

A Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe) informou que a agressão ocorreu no corredor quando a presa estava sendo levada da cela para a secretaria, durante o banho de sol.

Agentes do Batalhão de Polícia Penitenciária conseguiram intervir e controlar o tumulto.

A detenta foi encaminhada para a delegacia para registrar boletim de ocorrência e inicar as investigações para descobrir as causas da agressão, segundo a Susipe.

Entenda o caso

Dois homens e uma mulher foram presos em flagrante no último dia 5 de fevereiro por crimes sexuais contra duas crianças de 10 e 11 anos, em Paragominas, nordeste do estado. Os suspeitos de estuprar as crianças são o padrasto e o vizinho.

Os três foram detidos em uma casa, na Rua 17 de junho, bairro Laércio Cabeline. Uma denúncia anônima de que duas crianças – irmãos por parte de mãe – vinham sofrendo abusos sexuais pelo padrasto levou os policiais civis até o endereço. A mãe teria conhecimento dos abusos e não denunciou à Polícia.

“Constatamos que a criança de 11 anos havia faltado aula e estava com semblante triste no interior da residência em que morava com os agressores. Imediatamente, a equipe conduziu o padrasto à Delegacia e procedeu à oitiva das vítimas com o apoio da equipe especializada”, explica a delegada Amanda Costa.

Em depoimento, as crianças relataram com riqueza de detalhes a violência que continuamente sofriam em casa. “Atestamos a veracidade da denúncia anônima recebida. A mãe sabia dos abusos e também tinha conhecimento de que seu vizinho participava (dos crimes sexuais) com seu companheiro”, afirmou a delegada.

As investigações constataram ainda que Francisco Moreira já responde há diversos procedimentos criminais em diversas comarcas do Estado e que atualmente estava em liberdade provisória concedida pela justiça, em processo por crime de estupro de vulnerável cometido contra a própria enteada.

G1/Pará


Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


POPULARES

Topo